quinta-feira, 18 de maio de 2017

Supremo Tribunal Federal afasta Aécio Neves do mandato de senador

  •  
  •  
Aécio foi gravado solicitando R$ 2 milhões ao empresário, e Rocha Loures foi filmado pela Polícia
Senador Aécio Neves (PSDB).
Senador Aécio Neves (PSDB). (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal afastou o senador Aécio Neves (PSDB) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB) de seus cargos no Congresso Nacional, após pedido da Procuradoria-geral da República com base na delação de Joesley Batista e pessoas ligadas ao grupo J&F, controladora da JBS. Aécio foi gravado solicitando R$ 2 milhões ao empresário, e Rocha Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo valores do empresário.

Na conversa gravada, Joesley e Aécio negociam de que forma seria feita a entrega do dinheiro. O empresário teria dito que se o senador recebesse pessoalmente o dinheiro, ele mesmo, Joesley, faria a entrega. E, se Aécio mandasse um preposto, o empresário faria o mesmo. Foi quando o senador disse a seguinte frase: "Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do c***.".

O "Fred" citado no diálogo é Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, ex-diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e um dos coordenadores da campanha do tucano à Presidência em 2014. O responsável pela entrega teria sido o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud, de acordo com a reportagem do jornal.

Rocha Loures, por sua vez, teria sido filmado pela Polícia Federal recebendo cerca de R$ 500 mil em propina.

Ação da PF no gabinete de Aécio Neves já dura mais de duas horas

Agentes da Polícia Federal seguiam por volta das 8h20 desta quinta-feira (18), fazendo busca e apreensão de documentos no gabinete do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Senado. A operação no local já dura mais de duas horas, segundo policiais legislativos.

Parte da imprensa foi impedida de acompanhar a operação. A Polícia Legislativa restringiu o acesso ao prédio anexo do Senado onde os gabinetes dos senadores estão localizados. Os carros da PF aguardam os agentes na chapelaria do Congresso Nacional, entrada principal do prédio.

Rio

Outros agentes da PF que estavam desde cedo na residência de Aécio Neves em Brasília saíram em torno das 8h20 do local com um malote. Às 8h30, apenas jornalistas faziam plantão na frente da casa do senador, que fica em um bairro nobre na capital.

No mesmo horário, a PF fazia uma busca no apartamento de Andréa Neves, irmã de Aécio Neves, localizado na Avenida Atlântica, na Praia de Copacabana, zona sul do Rio. Dois carros da PF estão diante do prédio. Alguns motoristas que passam pela avenida à beira-mar se manifestam com buzinas.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais