terça-feira, 20 de janeiro de 2015

PM do Maranhão que ficou paraplégico em serviço é ignorado pelo Estado

Publicada em 16/01/2015 às 10:43:40
Dentre as várias injustiças que o governador Flávio Dino tem para reparar uma é a situação do sargento Francisco Oliveira Diogo ferido gravemente durante uma abordagem na cidade de Paulo Ramos. Como consequência do episódio o sargento Diogo ficou paraplégico. O Estado não lhe amparou sequer com a promoção por bravura.

Francisco Oliveira Diogo sempre foi um policial considerado pela classe como “operacional”. O termo designa aqueles PMs que gostam de operações, que são atuantes no campo e que se destacam pela coragem no serviço. Na região de Paulo Ramos, investigou e combateu o plantio de maconha, contabilizando a destruição de 12 mil pés da erva. Contudo, sargento Diogo é conhecido por todos como uma pessoa educada e polida que sempre teve a capacidade de resolver os problemas com calma e prudência. Foi por isso que recebeu a incumbência de comandar o policiamento na cidade de Paulo Ramos, cidade encravada numa região marcada pela ocorrência de pessoas armadas em via pública e por indivíduos que gostam de resolver as querelas na base da bala.

E foi para conter a ameaça de um desses indivíduos que na noite do dia 3 de novembro de 2013 o sargento tomou a frente de uma guarnição policial e foi verificar a denúncia de que um homem estaria portando arma de fogo em praça pública. O acusado era Alexandro Andrade, membro de uma das famílias temidas na região os “Freire Andrade”. Alguns membros da família tem histórico de prisão por receptação de veículo roubado, atropelamento com omissão de socorro e até por assassinato.

Alexandro já havia sido preso uma vez, não sem reagir à voz de prisão dada pelos policiais, apresentando trabalho para ser dominado. Localizado, os policiais constataram que o mesmo estava armado e mais uma vez Alexandro não aceitou ser preso. O sargento Diogo contou à reportagem do Blog, sobre o momento da abordagem: “Não tinha como dominá-lo. Tentamos muito e para que ele pudesse ser contido tivemos que feri-lo em uma das pernas. Ele estava com um revolver calibre 38”.

No hospital o sargento Diogo foi vítima de 3 tiros

Alexandro foi levado pelos policiais para o hospital, quando estava sendo atendido e com a ocorrência aparentemente sob controle, chegou Silvado Andrade Silva, tio de Alexandro. Armado, o homem desferiu três tiros contra o sargento Diogo, um dos tiros acertou a coluna vertebral.
O restante da ocorrência foi um drama. O sargento Diogo ficou imobilizado no chão. Um dos soldados que estava na guarnição correu para se salvar. O outro tentou prestar auxilio ao sargento e quase foi vitimado quando Alexandro que estava em uma maca tentou tomar a arma do PM.

“Eu fiquei ali no chão. Não podia me mover mas estava lúcido e observando o soldado Wagner aflito tentando administrar a situação. Ele pedia reforço policial e ao mesmo tempo tentava manter as pessoas afastadas e ainda chamava o pessoal do hospital par me socorrer. Foi tudo muito rápido, quando o rapaz tentou puxar a arma do soldado ele reagiu e atirou primeiro”, contou o sargento Diogo.

O motorista da ambulância se recusou a prestar socorro

O socorro que deveria ser prestado ao sargento Diogo poderia ter sido de forma mais eficaz se não fosse o clima de terror que se instalou na cidade. Uma evidencia disso foi a atitude do motorista da ambulância em se negar a levar o sargento para Bacabal, com medo de que o veículo fosse interceptado por algum membro da família Freire Andrade.

Quem conhece a região sabe bem do que muitas pessoas são capazes. E numa situação em que o individuo entra num hospital e dispara três vezes contra um policial militar armado, o que se pode esperar? Tudo.

O sargento Diogo relata: “Foi complicado. Eu ali ferido tendo que ser resgatado e não tinha como sair da cidade. O rapaz da ambulância estava aterrorizado. Temia pela vida dele. Felizmente apareceu um voluntário e se dispôs a me transportar”.

Sem a devida atenção do Estado 
 
Passados 14 meses do episódio, o sargento Diogo continua na ativa, não como policial, mas como cidadão que procurou dar o melhor na sua profissão. Com disciplina superou a fase de internação no hospital e teve que se habituar à vivência numa cadeira de rodas. 

O caso do sargento Diogo é um dos muitos registrados com policiais militares e civis que são feridos no exercício da profissão e para os quais o Estado não dá a atenção devida. São homens e mulheres que agem em nome do Estado para conter indivíduos que afrontam o Estado. Nesses momentos, falta aos críticos e defensores do respeito aos direitos humanos, a percepção de que estamos diante de um ser humano, com seus direitos não respeitados pelo Estado.

Os direitos humanos devem sempre ser observados, principalmente diante da violência estatal para com o cidadão. O mesmo se dá no caso em que um servidor estatal é vítima da violência e o Estado não lhe ampara nem numa promoção por bravura.

Do Blog do Louremar  Alves

0 comentários:

Postar um comentário

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais