coletiva
O áudio que traz a conversa do presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Edmar Cutrim é mais uma tentativa desesperada do grupo Sarney de tumultuar a eleição. A fala do conselheiro em nada compromete a campanha de Flávio Dino, que lidera todas as pesquisas de intenção de votos e vence no primeiro turno (até mesmo na pesquisa Ibope).
O diálogo, conseguido provavelmente através de escuta ilegal, capta uma simples fala de Edmar, fora do ambiente TCE, onde não há comprovado nenhum tipo de transação clandestina com prefeitos, vereadores, lideranças envolvendo negociação espúria de apoio político a seu filho e Flávio Dino.
Como cidadão, Edmar tem todo direito de falar sobre política. E assim o fez, fora do local onde trabalha. Grave seria se Edmar fosse flagrado oferecendo dinheiro a um prefeito ou chantageando-o em troca de apoio político. Nada disso. O teor da gravação revela uma conversa meramente informal.
Dessa forma é pouco provável que a Justiça se dê ao trabalho de avaliar algo tão frágil e que carece de fundamentação.

A intenção do grupo Sarney é apenas uma, de criar um clima de instabilidade na eleição e deixar o eleitor confuso. Não há risco algum de a eleição ser anulada.

Em tempo: Que vexame da governadora Roseana Sarney. Prestar-se ao papel de uma araponga para seu grupo não perder o poder, até mesmo cometer o absurdo de invadir a residência dos outros, é um triste fim para quem encerra o mandato deixando o Maranhão no fundo do poço. Outro também que parece desesperado é o secretário Ricardo Murad, talvez com receio do julgamento de suas contas pelo TCE.