Por JM Cunha Santos

Lobão e DilmaAs denúncias formuladas pelo ex-diretor da Petrobrás, Paulo Roberto Costa, dando conta de que três governadores, inclusive a governadora do Maranhão, Roseana Sarney, um ministro, Edison Lobão e 25 parlamentares, estão envolvidos no monumental esquema de propinas dentro da empresa, não vão provocar demissões agora.

A presidente da República, Dilma Roussef, apesar da gravidade dos fatos, declarou que somente se for eleita dará curso a uma reforma ministerial a acontecer, neste caso, a partir de 1 de janeiro de 2015. E o secretário geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, tratou de “incidente” as denúncias formuladas pelo homem-bomba da Petrobrás. Segundo o secretário geral, sem o financiamento público de campanha não há como por fim à corrupção.

A nosso modo de ver, o governo está assumindo a corrupção de seus funcionários e aliados, pois o caminho mais fácil para acabar com a corrupção que desgraça este país e o Estado do Maranhão, que não sai mais do noticiário policial no Brasil, é punir os corruptos que enfiam em suas contas dinheiro que deveria ser aplicado em educação, saúde, alimentação e segurança pública.