terça-feira, 18 de março de 2014

Chuva eleva nível do rio e ameaça moradores de Trizidela do Vale no Maranhão

A reportagem de O Imparcial foi ao município para verificar a situação das famílias que moram nas proximidades do rio e constatou a dificuldade de sair de casa

Publicação: 18/03/2014 07:31 Atualização: 18/03/2014 11:09
 

Trizidela do Vale, MA - “Se subir mais 20 centímetros, muitas famílias vão ficar desabrigadas novamente”. O desabafo é de Fred Maia, prefeito da cidade de Trizidela do Vale, que fica a 283 quilômetros de São Luís. Tanta preocupação se justifica, pois com a chegada do período chuvoso o município volta a sofrer com ruas e casas alagadas trazendo à memória marcas da maior enchente já registrada naquela região – foram mais de três mil famílias desabrigadas na ocasião.
Morador de desloca de casa por meio de canoa furada
Morador de desloca de casa por meio de canoa furada

Segundo o coordenador da Defesa Civil de Trizidela, Otoni de Sousa, o nível do rio chegou à média máxima de 5,95 metros. Acima desta marca é considerado anormal e por isso o monitoramento intensificado. O aumento repentino no nível do rio foi causado pela forte chuva que atingiu o município Barra do Corda. “O nível máximo de volume que o rio pode chegar é esse. Se chover mais um pouco e o volume de água subir pelo menos 20 centímetros vários bairros e povoados da cidade ficaram submersos”, alertou ele que ainda garantiu estar de prontidão caso haja uma nova calamidade na cidade.

Desde a madrugada do último sábado, alguns moradores da área mais baixa do município, ficaram ilhadas ou tiveram que deixar suas casas por causa da cheia do rio Mearim como, por exemplo, na Rua Beira Rio, no bairro da Baixinha, no balneário Major Lucena, onde a reportagem de O Imparcial encontrou a doméstica Luiza Carlos de Sousa Loiola, ex-mulher de João do Vale, que precisou deixar a casa pelo fato da mesma estar em risco.
Casa fica ilhada após chuva forte no município
Casa fica ilhada após chuva forte no município

Dona Luiza disse lembrar apenas de três ocasiões em que a cidade não ficou alagada no período de chuvas. “Moro há 20 anos aqui e nesse tempo todo lembro que em apenas três anos não alagou. Já estou acostumada com isso Agora não posso ficar lá aí venho para o comércio que tenho. Quando alaga aqui também vou para casa de parentes. O sofrimento dura mais ou menos três meses”, comentou.

O lavrador Antônio Cosme da Silva, de 57 anos, mora há 18 anos na cidade, nove deles no bairro Ilha do Amor, nome dado à localidade devido a sua facilidade de isolamento. A vida para ele é muito complicada. Para comprar mantimentos, trabalhar ou realizar qualquer atividade do cotidiano, precisa andar de canoa para atravessar a área alagada. “Tudo aqui tem que ser pela canoa. Para vir para este lado fazer alguma coisa e voltar para casa temos que usar. Não tem jeito. O rio encheu e a gente fica ilhado”, revelou.

Ele disse não viver com medo de perder a casa ou perder a família em algum desastre natural como os que ocorreram em 2009 e 2011. As águas do rio Mearim subiram em poucas horas, de acordo com o morador. “Tenho medo não. Se tornou uma coisa muito comum para quem vive aqui. O rio sobe devagar então não dá para pegar de surpresa não” comentou.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais