quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Roberto Costa cobra providências da Prefeitura sobre o Aterro da Ribeira

O deputado Roberto Costa (PMDB), em seu pronunciamento desta terça-feira, 05, na Assembleia Legislativa, denunciou a problemática do Aterro da Ribeira, um depósito de lixo municipal localizado próximo ao Aeroporto Internacional Marechal Cunha Machado, e cobrou providências da Prefeitura de São Luís.

“Há um ano e meio atrás fiz uma denúncia, uma cobrança aqui ao ex-prefeito João Castelo, na época administrador da cidade, sobre os riscos que estavam correndo as aeronaves, tanto na decolagem quanto no pouso, em relação às aves que ficam ali no Aterro (da Ribeira). Na época veio a informação de que a Prefeitura (de São Luís) já estava tomando as providências cabíveis para resolver o problema. Depois de quase dois anos, eu tomei conhecimento através de um documento da ANAC (Agência Nacional de Avião Civil), encaminhada a Senadores do Maranhão, onde informa que o mesmo problema continua ocorrendo. Inclusive, dizendo que a Prefeitura já foi comunicada mais uma vez e que até hoje não foi tomada nenhuma providência”, destacou Costa.

O parlamentar ressaltou que é frequente procedimentos de arremeter e pouso de emergência de aeronaves por motivo de colisão com aves, principalmente urubus. E, que não cabe à ANAC a inspeção na localidade, sendo esta de responsabilidade exclusiva do poder público municipal, que prevê a ordenação e controle do uso e ocupação do solo urbano.

Além disso, a ANAC já encaminhou este ano o problema ao Ministério Público Federal, para que tome as providências junto à atual gestão da Prefeitura de São Luís, sob a pena de restringir as operações do aeroporto, como medida preventiva para garantir a segurança dos passageiros usuários daquele terminal.

“O risco maior que nós corremos hoje é o fechamento do Aeroporto de São Luís. No ofício que foi encaminhado ao senador João Alberto, a ANAC informa as possibilidades de restrições de uso do aeroporto de São Luís. Um assunto grave que nós mais uma vez trazemos a essa tribuna para que o senhor prefeito Edivaldo Holanda Junior tome uma providencia, porque senão correremos o risco, como já aconteceu no passado. Sabemos a importância desse aeroporto para o nosso estado. Isso será uma desmoralização para a nossa cidade, para o nosso estado”, alertou o Deputado.
Mapa da Violência aponta aumento de 344,6% em óbitos no MA - See more at: http://www.sistemadifusora.com.br/horaemhora/item/37673-mapa-da-violencia-aponta-aumento-de-344-6-em-obitos-no-ma#sthash.k32ILWzK.dpuf
Mapa da Violência aponta aumento de 344,6% em óbitos no MA - See more at: http://www.sistemadifusora.com.br/horaemhora/item/37673-mapa-da-violencia-aponta-aumento-de-344-6-em-obitos-no-ma#sthash.k32ILWzK.dpuf

Mapa da Violência aponta aumento de 344,6% em óbitos no MA

Publicado em Hora em Hora Terça, 05 Novembro 2013 17:16
Avalie este item
(0 votos)
Foi divulgado nesta terça-feira (05) dados do Mapa da Violência 2013. O município de Governador Nunes Freire entra na lista das cem cidades com mais de 20 mil habitantes com maior número de homicídios e de óbitos por estados e taxas médias entre os anos de 2008 e 2010.
A cidade contava com 25.401 habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano de 2010, e ocupa a posição 89 no ranking das cidades. Outras cidades também entram na lista das 150 cidades com mais homicídios: Santa Luzia do Paruá (128º), Arame (130º), Itinga do Maranhão (132º), Imperatriz (140º), Presidente Dutra (143º). São Luís aparece na 255ª posição.
No Maranhão, foram 204 óbitos em 2000, contra 907 registrados no ano 2010. No Nordeste, a maior parte das Unidades Federativas apresenta elevados índices de crescimento, com destaque para o Maranhão, cujo número de vítimas cresceu 344,6% na década. Já entre mortes de óbitos por armas fogo nas capitais são 86 casos em 2000, contra 316 em 2010, o que pressupõe aumento de 267,4%.
O crescimento global de 11,2% no número de óbitos por arma de fogo na década 2000/2010 é resultante de um conjunto de situações extremamente diferenciadas. No Nordeste o crescimento foi elevado: 92,2%, quase duplicando o número no período.
As capitais brasileiras possuem, de acordo com o censo de 2010, um total de 45,5 milhões de habitantes, o que representa 23,8% da população total do país. Mas o número de vítimas por armas de fogo nessas capitais, também em 2010, foi de 13.529, representando 34,8% do total nacional de óbitos pela referida causa.
Pelo ordenamento das Unidades Federativas segundo taxas de óbito por arma de fogo, em cidades com 100 mil habitantes, o Maranhão aparece em 2000 na posição 20. Já em 2010 desceu para o 27º lugar no ranking dos estados, o que equivale a aumento de 282,2% no número de homicídios. São Luís é a 13ª capital quanto ao número de óbitos.
Em 2010, segundo número, taxas de óbito e distribuição porcentagem das vítimas por armas de fogo o Maranhão aparece com 50 óbitos em acidentes, 812 homicídios, 33 suicídios e 12 casos indeterminados.
Várias capitais do país praticamente triplicam suas taxas entre os anos 2000 e 2010, como Belém, Fortaleza, Maceió e São Luís (que aparece na posição 13 entre as capitais com mais óbitos).
No ano de 2010 morreram, vítimas de disparo de arma de fogo, 10.428 brancos e 26.049 negros. Utilizando os dados do Censo de 2010, as taxas resultantes foram 11,5 óbitos para cada 100 mil brancos e 26,8 óbitos para cada 100 mil negros. Dessa forma, a vitimização negra foi de 133%, isto é, morrem proporcionalmente vítimas de arma de fogo 133% mais negros que brancos.
- See more at: http://www.sistemadifusora.com.br/horaemhora/item/37673-mapa-da-violencia-aponta-aumento-de-344-6-em-obitos-no-ma#sthash.k32ILWzK.dpuf

0 comentários:

Postar um comentário

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais