terça-feira, 19 de novembro de 2013

Novo comandante da PM diz que vai intensificar policiamento nas "Zonas Vermelhas"


Zanoni garante mais intensidade nos bairros que abrigam as facções e o mesmo rigor na ação contra os criminosos no interior do estado


Michel Sousa
Publicação: 19/11/2013 07:49 Atualização: 19/11/2013 09:09

Coronel Zanoni, com secretário Aluísio Mendes e o  ex-comandante da PM, Franklin Pacheco,durante a posse
Coronel Zanoni, com secretário Aluísio Mendes e o ex-comandante da PM, Franklin Pacheco,durante a posse
“Operacionalizar e intensificar o comando de policiamento especializado para combater as zonas vermelhas (áreas críticas da cidade)” é a aposta do novo comandante geral da Polícia Militar do Maranhão (PMMA), coronel Aldimar Zanoni Porto, para coibir as facções criminosas em São Luís e no interior do estado.

Para conseguir alcançar este objetivo, o coronel Zanoni anunciou a transformação do Batalhão de Choque em Batalhão de Operações Especiais e revelou a existência de um pacote de segurança pública de prevenção ao crime que potencializará os serviços de inteligência da Polícia Militar resultando, desta forma, em resultados mais expressivos.

O coronel fez um estudo organizacional da PM e identificou efetivos que podem ser colocados nas ruas e a população. Zanoni garantiu que haverá mais intensidade nos bairros que abrigam as facções e o mesmo rigor na ação contra os criminosos de toda a região metropolitana de São Luís e cidades do interior do Estado. “O Maranhão nunca foi celeiro de criminosos e nunca será. Aqui existem instituições fortes e unidas com a sociedade para debelar qualquer ameaça”, disse o comandante em seu discurso de posse.

A intenção é disponibilizar para a população um policiamento especializado capaz de atuar paralelamente ao policiamento normal e diminuir gradativamente o clima de insegurança que tomou conta da cidade após os ataques contra trailers da PM, delegacias e ônibus do transporte público. “Vamos agir com pulso firme contra a criminalidade e para isso vamos intensificar as operações por toda cidade”, admitiu em entrevista por telefone ao Jornal O Imparcial.

Cerca de 150 policiais vão compor o Batalhão de Operações Especiais que começa a agir ainda nesta semana, segundo afirmou o comandante Zanoni. Além de operacionalizar o policiamento, o novo comandante destacou como parte das políticas públicas de segurança a redução do tempo de formação dos policiais, sem que se perca qualidade. “Vamos intensificar o processo nos fins de semana e em dois turnos para antecipar a entrada desse efetivo no sistema de segurança. Com esse novo efetivo e através do planejamento feito vamos dar uma resposta à população”, garantiu.

Cerimônia
A solenidade de passagem de comando foi presidida pelo secretário de Estado de Segurança Pública, Aluísio Mendes. Presentes, os secretários-adjuntos de Inteligência e Assuntos Estratégicos, Laércio Costa; o de Articulação e Desenvolvimento Institucional, coronel Antônio Roberto dos Santos Silva; o comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão, coronel Wanderley Pereira; a delegada geral da Polícia Civil do Maranhão, Cristina Meneses; além de secretários de Estado, deputados estaduais Magno Bacelar e Roberto Costa, prefeitos, representantes dos poderes Legislativo e Judiciário; comandantes dos batalhões de São Luís e interior, oficiais e praças.

Na ocasião, foram empossados, ainda, o novo subcomandante da PM, coronel João Alfredo Soares de Quadro Nepomuceno, de 44 anos e 26 de polícia, que ocupará o lugar do coronel Edilson Gomes; e o novo comandante do Policiamento Metropolitano (CPM), tenente-coronel Marco Antônio Alves da Silva, de 44 anos, sendo 26 dedicados à PM.

Substituição
O coronel Aldimar Zanoni foi anunciado como substituto do coronel Franklin Pacheco após os ataques contra trailers, delegacias e ônibus que vêm acontecendo em São Luís. Dois trailers e três delegacias da polícia foram alvejados. Morreu o soldado Francinaldo Sousa Pereira, 41 anos. O sargento Marco Antônio Correa Cutrim e uma civil, não identificada, ficaram feridos e estão internados no Hospital Djalma Marques (Socorrão I). Dois ônibus foram assaltados - um foi incendiado e parcialmente destruído após o assalto e, o outro, teve incêndio controlado pelo motorista e não sofreu maiores danos.

Assim como na rebelião de Pedrinhas, no mês passado, quando um confronto entre as facções rivais na Casa de Detenção (Cadet) deixou pelo menos nove mortos e 20 feridos, o secretário Aluísio Mendes atribui às ações criminosas a represálias ao trabalho da polícia de combate ao crime organizado.

0 comentários:

Postar um comentário

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais