quarta-feira, 24 de julho de 2013

Promotor defende participação do Poder Executivo em fiscalização de festas

Cabral Marques anunciou fiscalização em festas "raves" no fim de semana.
 
Pedro Sobrinho / Imirante.com
24/07/2013 às 10h54 - Atualizado em 24/07/2013 às 12h24

SÃO LUÍS - O promotor de Justiça, Luiz Cláudio Cabral Marques, anunciou para o fim de semana, a fiscalização de festas "raves", resenhas e casas noturnas na região metropolitana da capital maranhense. Nas fiscalizações, o Ministério Público solicita informações de como são expedidas as licenças para a realização dos eventos, identidade dos organizadores e sistema de segurança das festas. Em casos de abusos, os promotores de festa têm responsabilidade civil e criminal, a festa é interrompida e novos alvarás são concedidos seguindo critérios mais rigorosos. O promotor Cláudio Cabral defende ações efetivas e em conjunto.
- Temos que proteger os nossos filhos. É necessário que se fiscalize essas festas que acontecem nos fins de semana em São Luís e em municípios da região metropolitana. Agora, é preciso uma Força-Tarefa, a atuação conjunta e efetiva do Poder Municipal e Estadual para que as pessoas que frequentam as festas se sintam seguras e em um ambiente adequado para se divertir - complementa.

Droga

O Ministério Público do Maranhão também faz um levantamento de casos de mortes por overdose registrados nos hospitais e unidades de saúde da região metropolitana de São Luís. No último dia 15, um jovem estudante de Engenharia, de 19 anos, morreu 'misteriosamente' em uma festa "rave" realizada na cidade. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público do Maranhão. Cabral Marques afirmou que em visita a unidades de saúde na ilha constatou vários casos de jovens que dão entrada em coma por ingerir substâncias químicas.

Comissão

Foram designados para realizar os trabalhos os promotores de justiça José Cláudio Cabral Marques (controle da atividade policial – São Luís), Haroldo Paiva de Brito (criminal – São Luís), Danilo José de Castro Ferreira (criminal – São Luís), Reinaldo Campos Castro Júnior (Raposa), Raquel Pires de Castro (Paço do Lumiar) e Agamenon Batista de Almeida Júnior (São José de Ribamar). A procuradora-geral de justiça, Regina Lúcia de Almeida Rocha, assinou Portaria designando os referidos promotores para cuidarem do caso.

1 comentários:

  1. o nosso sonho ...è que a promotora do municipio de Bacabal va morar do outro lado do mundo...õooooo promotora abudsada

    ResponderExcluir

 

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites Mais